sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Perdi um não sei quê
não sei quando
..
Acho que foi a manhã que me roubou
ou a luz, escapando da ventana
..
E dou-me conta, de repente,
que a falta não é do sono
não é da calma
nem da cama
...
Amanheci,
nua e fria,
sem o sonho.
Escrever a sua ausência
na esperança
de que,
ao menos,
ocupe
as bordas
do papel.